domingo, 5 de julho de 2009

Urgente! Massacre de Uigures na China! [Updates]

Pin It
Um protesto pacífico de Uigures (ou Uighures), minoria muçulmana, na Região Autônoma do Xinjiang, no extremo oeste da China, deixou mais de 189 mortos e quase mil feridos hoje!

O governo Chinês, sempre intolerante e violento, abriu fogo contra os manifestantes em um verdadeiro massacre nas ruas de Urumqi, capital regional!
"A polícia estima que até 3.000 pessoas tenham saído às ruas de Urumqi (3.270 km de Pequim), capital da região autônoma de Xinjiang. A cidade, com população de 2,3 milhões de pessoas, é o local de maior concentração da população muçulmana na China. "
3 mil pessoas nas ruas, mais de 1/3 foi ferida ou morta! São estes os números absurdos da repressão chinesa contra uma etnia muçulmana que luta ha décadas para se libertar, assim como os Tibetanos, e sofrem perseguição e são vítimas da perniciosa propaganda que os tacha de "Fanáticos muçulmanos".

A agência estatal chinesa informa que o número de mortos está aumentando!

No site da BBC é possível encontrar um vídeo dos protestos, com conteúdo forte!

"Uighur exiles said police had fired indiscriminately on a peaceful protest in Urumqi.

The Xinjiang government blamed separatist Uighurs based abroad for orchestrating attacks on ethnic Han Chinese.

Eyewitnesses said the violence started on Sunday with a few hundred people, and grew to more than 1,000.

Xinhua says the protesters carried knives, bricks and batons, smashed cars and stores, and fought with security forces.

Wu Nong, news director for the Xinjiang government, said more than 260 vehicles were attacked and more than 200 houses damaged.

An overnight curfew was imposed.

Uighur groups insisted a peaceful protest had become victim to state violence."


Os protestos foram convocados em repúdio à violência constante por parte dos invasores chineses, tendo como estopim um enfrentamento mês passado em Shaoguan, no sul da província de Guangdong. No episódio um homem não identificado anunciou na internet que 6 rapazes Uigures teriam estuprado duas garotas Han, iniciando um conflito na região onde 2 Uigures foram mortos e 118 pessoas ficaram feridas.

Já o governo acusou a líder separatista no exílio, Rabiya Kadeer de estar por trás dos protestos de hoje.

Uma desculpa excelente para massacrar o povo Uigur, muçulmano, de origem Turca e submetidos à China contra sua vontade. A China, aliás, possui uma política local semelhante à que adotou no Tibet. Finge dar autonomia às regiões se valendo de governantes títeres e escolhidos À dedo e de uma política de assimilação, enviando milhões de chineses à região para se misturar e/ou formar a maioria local e evitar assim qualquer tentativa de independência e de legitimação.

Claro que, ao ler a boa e velha mídia, vemos os termos "Confronto", e similares quando, provavelmente, os Uigures foram provocados, oprimidos e tiveram que reagir o que, para o PIG, é inaceitável! Todos devem apanhar satisfeitos e felizes!

"Hundreds of arrests had been made, including 10 "key figures" it said were involved in the unrest, while authorities were now looking for 90 others responsible for "fanning" the protests, the agency added."
Estas 10 "Figuras-chave" devem estar neste momento sendo brutalmente torturadas e provavelmente jamais serão vistas novamente e os demais "procurados" serão caçados como animais e sumirão em alguma prisão Chinesa ou, como misericórdia, amanhecerão com uma bala na nuca.

O Telegraph confirma as informações da BBC sobre os motivos dos protestos e confirma minha análise sobre as tensões que existem com a migração em massa de chineses Han para províncias controladas ou povoadas por minorias étnicas:
"The disturbances come after a year of rising tensions between the dominant Han Chinese authorities and the Uighur ethnic minority - the historical ethnic majority in Xinjiang - who say they have been socially and economically marginalised by Beijing's development policies.

Officials said the riot began when Chinese police tried to break up a sit-in protest calling for an investigation into the deaths of two Uighurs during a fight between Uighur and Han workers at a toy factory in Guangdong province, Southern China last month.

The riot has echoes of clashes last March in the neighbouring province of Tibet where there are similar simmering ethnic tensions between the historic Buddhist population and Han Chinese who have migrated to the region in recent decades."

---------------------------------------------
Update: No Twitter a informação - não confirmada - é de 140 mortos!

Agência Xinhua confirmou, 140 mortos e subindo!
---------------------------------------------

Vale lembrar dos violentos ataques de grupos Uigures pouco antes da olimpíada de Pequim, dentre els o ataque à uma estação policial que deixou 17 chineses mortos. Dois uigures foram executados em represália, acusados de autoria.

Esta ano marca o 60º aniversário da ocupação chinesa na região, que, assim como no Tibet, a China descreve como "Ato de libertação", uma ironia, no mínimo, assassina e cruel!

A China usará toda sua força para esmagar os protestos e humilhar o povo Uigur que é historicamente marginalizado em relação aos Han que habitam a região.

------------------------------------------

Usuários do Twitter informam que o serviço foi bloqueado em diversas partes da China e os usuários estão encontrando imensa dificuldade em acessar onde o Twitter ainda não foi bloqueado. A China tem medo da informação, um governo didatorial e crual que só se amntém graças ao medo, à manipulação e à censura!

-----------------------------------------

Os Chineses estão abrindo fogo contra qualquer coisa que se mexa! Corpos estão sendo retirados da rua, inocentes estão sendo massacrados por protestar por liberdade!

"Fifty-seven dead bodies were retrieved from Urumqi's streets and lanes, while all the others were confirmed dead at hospitals, said Liu Yaohua, the region's police chief, at a press conference midday Monday.

He said the death toll would still be climbing.

At least 828 people were injured in the deadly violence that erupted Sunday night.

Rioters burned 261 motor vehicles, including 190 buses, at least 10 taxis and two police cars, said Liu.

As of 9 am, several vehicles were still seen ablaze on Urumqi's streets he said.

A preliminary investigation showed 203 shops and 14 homes were destroyed in the riot."

-------------------------------------



Video aparentemente mostrando os confrontos em Guangdong, que levaram ao protesto de hoje/ontem no Xinjiang:


Algumas fotos, via BBC


Imagens fortíssimas da violência Chinesa contra estudantes e civis Uigures no vídeo abaixo



--------------------------------
Agora é oficial, a China bloqueou o Twitters. Censura pesada para que nada mais sobre os massacres contra o povo Uigur saia do país e cause revolta mundial. Cadê Lula e Obama agora para repudiar o governo Chinês?

"The websites of the Urumqi city and Xinjiang regional governments were also down.

But the government appears to have thrown the net even wider, with users in capital Beijing and financial hub Shanghai complaining social networking site Twitter has also been blocked.

Fanfou.com, a domestic competitor of Twitter, was still accessible, though searches for key words such as "Urumqi," "Xinjiang" and "Uighur" gave no results."

Na verdade, no Xinjiang a conexão com a internet foi totalmente cortada.

----------------------------------------------

Do Twitter vem a informação de que os mortos chegam aos 156. Fontes oficiais são citadas mas nenhum link ou confirmação.

Xinhua, via JB acaba de confirmar, 156 mortos.

------
Comentários
5 Comentários

5 comentários:

Hugo Albuquerque disse...

Raphael,

Puxa, incrível o pique que você mantém nesse blog. A situação chinesa é o seguinte, o país China não existe. É isso mesmo. Eu tenho um bom amigo chinês com quem estudei muito tempo junto na escola. Um dia, debatendo sobre China, ele me explicou o seguinte: Se quiser entender a China, pense no Império Romano no seu auge. Você tinha uma elite latina, ao mesmo tempo em que havia incontáveis outros povos no seu interior, falando sua própria língua e tendo sua própria cultura. Esses outros eram bárbaros e não tinham direitos.

A China é assim, tem seus cidadãos - os burgo-burocratas do partido -, seus escravos - os camponeses e operários - e seus bárbaros - os tibetanos, os uighurs e outros povos - que podem ser massacrados quando bem se entender. O Estado não pensará duas vezes em usar de força letal contra eles nem contra ninguém - nunca se elaborou um equivalente chinês ao universalismo e humanismo estóico, por exemplo.

A Revolução Chinesa de 49 foi um misto de iluminismo tardio e oportunismo político e assim foi até a vertente racionalista dela se perder de vez para o tradicionalismo nacionalista sobre o qual se assenta o país desde 78.

Claro, isso não muda o fato de que entre os tibetanos havia um sistem praticamente feudal onde os monges exerciam uma opressão não muito diferente dos clérigos católicos na Europa da Idade Média, simplesmente, ressalta que quando o assunto é China, o buraco é mais embaixo.

abraços.

Raphael Tsavkko Garcia disse...

Haha, vocÊ não tem noção de como minha insônia é produtiva! Tenho 3 posts já prontos mas que foram atropelados durante a noite. Até amanhã eu lanço pq hj vou dormir umas 7 da noite!=P

Essa analogia é interessante mas, no caso chinês, a franquíssima maiora da população é Han. Dificilmente alguma minoria é maioria sequer em um raio de 50km. Em Roma a coisa era diferente. Havia integração via exército e os romanos eram, em média, inferiores em número aos locais.

A política de sinização foi, em geral, esperta e muito cruel, mas deu resultados, é difícil a defesa da independência de regiões quando os Han são, de fato, maioria, seja pela razão que for (e sabemos quais são).

Claro que, para a china, qqr minoria (uma boa parte delas ao menos) tem mais de um milhão, isto é desproporcional e problemático. Uma limpeza étnica não era nem é viável, daí a migração forçada, deslocamentos e etc.

E uma coisa é fato e seu comentário nos leva À questão, ruim com a china, igualmente ruim sem ela, ao menos dos modelos que podemos vislumbrar. MAs, ainda assim, cada povo merece ter o direito À sua autodeterminação e a repressão acaba por criar mais radicais. Os Chechenos, por exemplo, não eram fanáticos islâmicos (como uma parte significante dos separatistas hoje) antes do genocídio dos anos 90. A situação excepcional os levou À isso.

E o mesmo pode ocorrer no Xinjiang onde o povo é taxado de fanático sem ter nada a ver com isso. No futuro podem realmente se tornar assim.

É engraçado, irônico e terrível que as potências acabam transformando a oposição naquilo que mais temem. Acusam falsamente até que tudo vira verdade no fim.

Hugo Albuquerque disse...

Raphael,

Mas o ponto é que ser Han é algo como ser latino. Hans diferem muito de região para região. Os hegemônicos são os de Beijing e cercanias e sua língua, o bei fa hua, é a língua oficial (a "língua do norte", o mandarim).

Todos, claro, aprendem o mandarim e relegam seu língua materna para o círculo de convivência próximo - o mesmo acontecia com boa parte dos habitantes do Império Romano nos tempos de Tiberius, onde a maior parte dos habitantes já tinha sido, em algum grau, romanizada, ainda que não fosse geneticamente romana ou sequer itálica.

Claro, povo como os germânicos e os gauleses eram mais resistentes a essa dominação, frequentemente se revoltavam e eram massacrados.

abraços e boa insônia :-))

Raphael Tsavkko Garcia disse...

VocÊ está coberto de razão, eu havia deixado passar este detalhe "pequeno"!

Insônia chegou ao fim, é chegar em casa e capotar!=)

Robson Fernando disse...

Não só massacrando os uighur o regime chinês atua, mas também destruindo seu patrimônio histórico:
http://www.consciencia.blog.br/2009/05/o-progresso-destruidor-do-totalitarismo.html

Postar um comentário