quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Patriotismo Fake Tupiniquim

Pin It
No Brasil não temos saúde (SUS é piada de mal gosto na maioria das vezes), mas o governo dá "sua" solução: Nos força a ter plano de saúde (piada também na maioria das vezes e nas doenças mais sérias) ou então nos resta morrer na fila para um atendimeto;

No Brasil não temos educação (Escola pública é simplesmente uma lástima, os professores são mal pagos e não tem qualquer incentivo, as escolas são um lixo, caem aos pedaços) mas o governo basicamente nos força a ir para escolas particulares, onde aprendemos a competir, a superar os "adversários" e a nos preparar para uma carreira (claro, existem as exceções, felizmente o colégio onde estudei não era assim, mas na maioria dos casos...) e não a ter uma visão crítica do mundo e muito menos a sermos solidários e preocupados com o próximo;

No Brasil não temos segurança (é melhor confiar em bandido ou na PM e na Civil? Aliás, dá no mesmo pois os bandidos costumam também usar fardas nas horas vagas da criminalidade), mas o governo nos "ajuda" a ter segurança privada de qualidade (sic), normalmente prestada pelos mesmos bandidos de farda que, nas horas ainda vagas fazem bicos de segurança (nossa [in]segurança, enfim, é ímpar);

A partir de amanhã (22), as escolas públicas e particulares de ensino fundamental terão que executar o Hino Nacional pelo menos uma vez por semana. A lei com a obrigação foi sancionada hoje (21) pelo presidente em exercício, José Alencar, que recebeu alta médica no último sábado (19). A autoria da proposta é do deputado federal Lincoln Portela (PR-MG). Em 2009, a letra do hino, escrita por Joaquim Osório Duque Estrada, completou 100 anos.
E, finalmente, no Brasil não temos patriotismo (que fique claro, não estou falando da final da copa do mundo de futebol quando o brasileiro diz ter orgulho do país ou da final do mundial de vôlei e sim patriotismo de fato, que faz o povo protestar, reclamar seus direitos, lutar pelo país e ter orgulho ou possibilidade de ter orgulho do país e de suas conquistas) mas, como não poderia deixar de ser, o Estado se encarregará de nos enfiar esta noção impraticável dentro de nossa realidade - onde falta tudo - ao forçar as crianças a cantar o Hino Nacional uma vez por semana.

Tentativa clara e absurda de enfiar goela abaixo um patriotismo fake, forçado, nas crianças do país. Uma lavagem cerebral descabida, que vai contra as liberdades individuais do cidadão e cria robôs pseudo-patriotas.

Visto que o Estado não dá qualquer condição real de que o sentimento de patriotismo puro nasça nos brasileiros, este resolveu adotar o caminho mais simples, não resolverá - nem de longe - qualquer um dos nossos problemas imediatos mas fará com que o ufanismo tolo e torpe seja ensinado e enfiado nas cabeças infantis.

Que fique claro que o "patriotismo" que trato aqui não é aquele boçal dos milicos ou de gente de extrema direita saudosista da ditadura ou membros da TFP e sim um patriotismo saudável que nasce do real orgulho de pertencer a um país decente. Não é nosso caso, de qualquer maneira.

Aliás, cabe lembrar, vai ser interessante forçarem as crianças a cantar o hino ou, de maneira alternativa, encontrar uma forma de executá-lo nas escolas, estas com excelente infra-estrutura, com ensino de primeiro mundo, fazendo com que todas compreendam cada palavra do nosso hino e sintam orgulho de, mesmo morando em uma favela, com pai e mãe desconhecidos e sem futuro algum, serem brasileiros!

No Brasil querem fazer o patriotismo fake aparecer antes e de maneira forçada do que dar reais condições para que ele nasça normalmente....

Agora é aguardar o grito de Tradição, Família o e Propriedade.
------
Comentários
5 Comentários

5 comentários:

AF STURT disse...

Tradição, Família, Propriedade e religião.

A DONA DO MUNDO disse...

Trágico ter que obrigar os estudantes a cantar o hino! eu tinha uma professora, que me ensinou com tanta paixão o hino nacional que me fez brasileira em duas aulas... talvez esse seja o caminho!
Gostei do seu blog!

Raphael Tsavkko Garcia disse...

Obrigado, "Dona do Mundo"! Fato, patriotismo ñ se enfia goela abaixo, ou você cria naturalmente ou não dá, apenas resulta em fascistas ultranacionalistas que não pensam, só repetem.

Lucas Rodrigues de Carvalho disse...

O mal do brasileiro é a visão negativa e pessimista que só acaba por gerar mais problemas. E reclamar não resolve a situação. Falta o incentivo do amor à pátria, sim! E acredito que a execução do Hino Nacional nas escolas de ensino fundamental é uma medida importante. Irá incentivar o orgulho de ser brasileiro, e isso fará com que os jovens pensem de uma forma mais postiva, a favor do país, procurando soluções para problemas que, infelizmente, ainda temos. O amor ao Brasil é algo fundamental e importante. Mesmo porque nascemos aqui, e querendo ou não, fazemos parte dessa terra que, apesar de tudo, tem muitos motivos para também ser louvada. Mas muita gente inisiste em só ver o lado ruim, né?

Raphael Tsavkko Garcia disse...

Será que um melhor incentivo não seria dar condições de se estudar numa escola pública? Ou quem sabe ao Estado prover saúde, educação e condições de vida À população?

Mandar tocar o hino para forçar patriotismo é mais fácil do que permitir que ele nasça naturalmente, através de ações e de dar algo real ao povo para que sinta orgulho, algo maior do que uma seleção campeã do mundo de milionários despreocupados e morando na Europa.

Eu tentei, mas não vi nenhum lado bom em cantar o hino, e, por exemplo, me recusaria. Se o Estado não me dá condições de ter orgulho, não vai ser cantar que irá me criar qualquer sentimento. NAda mais fake possível!

O mal do brasileiro é ter uma classe política criminosa que prefere seguir o caminho mais fácil do que investir no que interessa, no povo.

Aliás, será que a maior parte das escolas públicas tem sequer condições de tocar o hino? Que o diga ensinar Às crianças, moradoras de favela, pobres, lascadas, o que significa o hino, sua "tradução"?

Falta MUITO pra existir patriotismo de verdade no Brasil, o que temos é totalmente fake.

Postar um comentário