segunda-feira, 8 de junho de 2009

Crimes de Guerra em Gaza: Israel nos tribunais

Pin It
Utilizando o princípio da Jurisdição Internacional, advogados Palestinos irão apresentar no Tribunal Nacional da Espanha 936 processos contra o exército Israelense pelos abusos cometidos nos últimos anos, em especial durante o genocídio de Gaza.Levando em conta o desrespeito e inação de Israel, que considera ter apenas cometidos "pequenos erros" - dentre estes "pequenos erros" está o assassinato brutal de civis, mulheres e crianças - a única solução viável é procurar cortes de outros países capazes e dispostos a julgar os crimes inomináveis de Israel contra a população civil Palestina.

Mesmo que as ações não resultem em prisões, a mera condenação e impedimento de Israelenses criminosos de deixar Israel e coloca os pés na Europa e em outros continentes, já é uma tremenda vitória dos Palestinos na sua luta por um Estado e por viver em paz, sem massacres diários, o que hoje ocorre.

"Amir Al-Daya, 28, é o único membro de uma família de 23 pessoas que sobreviveu ao bombardeio da casa de seus pais. Entre os mortos estavam seus pais, três irmãos, três cunhadas, duas irmãs e 12 sobrinhos e sobrinhas. Al-Alami mostra algumas das fotos do arquivo. Uma delas mostra a cabeça de uma criança no meio dos destroços, com os olhos abertos, membros separados do corpo. Não restou nada das vítimas, e Al-Daya encontrou partes do corpo de sua mãe a até 100 metros dali.
"Minha família simplesmente desapareceu", diz Al-Daya, um homem corpulento com rosto de menino."
Via Der Spiegel Online (encontrado no Palestine Centre for Human Rights - PCHR):

Palestinian Lawyers Take on Israel

By Juliane von Mittelstaedt in Gaza City

Four months after the war in Gaza, Palestinian lawyers have prepared 936 lawsuits against the Israeli military over alleged war crimes. Some of the cases could soon be tried at Spain's National Court under universal jurisdiction.

When Iyad al-Alami wants to survey the fallout of the Gaza war, he simply has to step out of his office and walk up the stairs to the top floor of the building where he works. There, piles of shrapnel, twisted missile shells and massive armor-piercing shells are stored. New material is added every day, filling the boxes that cover the floor and are stacked along the walls.

For Al-Alami, the debris is evidence of Israeli army war crimes. He hopes the weapons can be used again -- but this time in a courtroom.

Al-Alami is the man behind efforts to assemble the biggest ever wave of lawsuits against Israel. He heads the legal department of the Palestinian Centre for Human Rights (PCHR) in Gaza City. From his windowless office, the taciturn lawyer is trying to convince courts around the world to take up his cause. Al-Alami is 45 years old, and he bears a slight resemblance to former Egyptian President Gamal Abdel Nasser, whose image is hanging on Al-Alami's wall.

Although he is by no means a propagandist, Al-Alami refers to "Israeli war crimes" as if he were discussing a self-evident fact. But he sees himself as neutral, or at least as neutral as a Palestinian in the Gaza Strip can be. He has defended Hamas members in Fatah prisons and Fatah members in Hamas prisons. He has represented hundreds, perhaps even thousands, against the Israeli army since he co-founded the PCHR 14 years ago. In the best outcomes, Israel paid compensation for victims or convicted its soldiers of theft. But the center's victories have all been minor. "We live in a system of impunity," says Al-Alami.

The 4,747 Palestinian deaths which, according to the Israel human rights organization B'Tselem, resulted during the second intifada -- the Palestinian uprising that began in September 2000 -- led to 30 criminal charges against Israeli soldiers, five convictions and only one longer jail term. According to the PCHR, 1,417 people died in Israel's most recent war against Hamas in the Gaza Strip, and many of the dead were civilians. This must not happen again, says Al-Alami. His dream is to see an international tribunal for Gaza, equipped with his files and evidence. And it seems as if his vision could soon come true, at least in part.

Dozens of attorneys around the world -- in Norway, Britain, New Zealand, Spain and the Netherlands -- are working on the Gaza lawsuits. In a globalized world, justice is also global: The basis for the initiative is the principle of universal jurisdiction in international law, which makes it possible to file suits worldwide for war crimes, genocide, torture and crimes against humanity.

In Norway, six attorneys have filed a lawsuit for human rights violations against Israel. They are seeking a European warrant for the arrest of senior Israel officials -- including former Prime Minister Ehud Olmert.

In London, Daniel Machover and Kate Maynard, attorneys with the law firm of Hickman & Rose Solicitors, are waiting for one of the people responsible for the war on the Israeli side to travel abroad. If the official travels to a country where it is legally possible to file charges for war crimes, a local attorney will immediately petition in that country for the arrest of the Israeli official in question.

Four years ago, the two lawyers secured a warrant for the arrest of Doron Almog who, as head of the Israel Defense Forces' Southern Command, ordered so-called targeted killings. Almog, after receiving advance warning, escaped arrest at London's Heathrow Airport by refusing to leave his plane and flying back to Israel. Since then, senior Israeli military officials, and even some politicians, are no longer willing to risk travel to Britain.

Al-Alami is currently pinning his hopes on Spain's National Court in Madrid, which has become something of an unofficial world court. The National Court issued the arrest warrant against former Chilean dictator Augusto Pinochet, and it is now investigating allegations of detainee torture at Guantanamo. One of the court's judges is investigating three Chinese cabinet ministers and other high-ranking Communist Party officials for their role in suppressing the Tibetan uprising in 2008.

And now the court is also investigating charges against the leadership of Israel, a democratic country and the only party to the war that can be sued. Meanwhile, Hamas remains unpunished for its acts of terror.

The basis for the Spanish court's actions is a lawsuit filed in January against seven high-ranking Israeli military officials and politicians for the targeted killing of Hamas militia leader Sheik Salah Shehadeh in 2008, an attack that also claimed the lives of 14 civilians. The case could be suspended, but to prevent this from happening, Spanish attorney Gonzalo Boyé plans to expand the suit to include a total of 13 cases compiled by the PCHR. The cases, which involve disappearances, torture and killings, go back to 1983, although most are from January 2009. Boyé's goal is to demonstrate that Israel systematically committed crimes, which is why the victims of the Gaza campaign are the focus of the lawsuit. "One case is a war crime," says Boyé, "but 10 cases? That's something else." The new charges involve crimes against humanity.

And if it becomes necessary, perhaps because the Spanish government, under pressure from abroad, is currently trying to limit the universal claims of its courts, Boyé is prepared to introduce a victim with ties to Spain: a Palestinian with relatives in Barcelona.

So far Israel has refused to cooperate with any systematic investigations. It rejects the International Criminal Court (ICC) and is not cooperating with Richard Goldstone, the head of a United Nations Human Rights Council fact-finding mission to Gaza. There have also been no criminal investigations into charges, brought by the Red Cross and human rights organizations, that the wounded could not be evacuated during the Gaza war, ambulances were shot at and civilians and refugees were attacked.

The only Israeli investigation to date addressed reports by soldiers claiming to have witnessed indiscriminate shootings of Palestinian civilians. After spending 11 days investigating the allegations, a commission concluded that the alleged killings were nothing but rumors.

The Israeli army has now completed an internal review of the Gaza war, and has concluded that its soldiers made mistakes in only a "very small number of incidents." These incidents "were unavoidable" and of the sort that "occur in all combat situations."

Systematic war crimes, of the kind which Al-Alami accuses the Israelis of carrying out, are not easy to prove. The attorneys must demonstrate that the Israel military attacked civilians without reason, perhaps even deliberately. They must prove that these attacks were not part of the conduct of war against Hamas fighters, and that they were not simply cases of technical or human error, but the senseless taking of human life. But who is to decide whether such killings were accidental or intentional and if they show carelessness or cruelty?

On the other hand, no war has ever been as well-documented as the Gaza conflict, despite the Israeli ban on journalists. The Gaza Strip is small, witnesses are unable to leave, and evidence is preserved. Keeping this in mind, Iyad al-Alami and his team of eight attorneys, helped by dozens of volunteers, began questioning witnesses during the bombings. They collected shrapnel, took photographs, made videos and recorded the damage, often risking their lives to do so. "We had to collect evidence as quickly as possible before it was gone, before witnesses disappeared, victims died and the dead were buried," says al-Alami.

In this way, they reconstructed the war, day-by-day and bomb-by-bomb. They compared the statements of eyewitnesses with the course of the war and with media reports. International weapons experts prepared analyses, and Palestinian doctors certified causes of death. The team even went to cemeteries to determine whether the graves matched the dead. "We have to be sure that everything is right," says al-Alami.

The PCHR has recorded 936 cases, which represents the most comprehensive documentation of this war. They include alleged incidents of children shot at close range, women burned by white phosphorus shells and entire families buried under their houses.

"Winning a case, just one, would be enough," says al-Alami. "Then I would retire immediately, because I would have achieved everything." Just one out of 936 cases. Al-Alami needs the perfect case.

The perfect case would have certain characteristics. The dead must be civilians. Credible witnesses are needed. Hamas fighters must not have been in the area, as they might have abused local residents as human shields. And the identities of those who gave the orders and those who did the killing must be clear.

Al-Alami refers again and again to the 13 blue ring binders stacked on his desk. Each binder represents one of 13 cases, and together the cases represent more than 100 dead. They are the worst cases, the cases for global justice, and Spanish attorney Gonzalo Boyé will use some as evidence to support his case of crimes against humanity. There is one ring binder for the 48 members of the Samuni family killed in the Gaza offensive, and another for the six members of the Abu Halima family burned by white phosphorus shells. There is one for the 11 members of the family of Hamas leader Nizar Rayan, whose house was destroyed by an Israeli air strike. There is one folder for those killed at the Arafat police academy. And there is one for the family of Amer al-Dayah.

Amer al-Dayah, 28, is the only member of a family of 23 who survived the bombardment of his parents' house. The dead included his parents, three brothers, three sisters-in-law, two sisters and 12 nieces and nephews. Al-Alami shows some of the photos in the files. One depicts a child's head in the rubble, eyes wide open, limbs severed. There was nothing left of nine of the victims, and al-Dayah found parts of his mother's body as far as 100 meters (328 feet) away. "My family was simply gone," says al-Dayah, a stout man with a boyish face.

The fate of his family is one of the first cases Gonzalo Boyé plans to submit in Madrid. Al-Dayah, the sole survivor, is pinning his hopes on the European court. He also knows that it could be years -- if ever -- before a verdict is pronounced.

In its final report, the Israel army commented on the death of al-Dayah's family. The pilot, the report reads, had erroneously received incorrect coordinates. Instead of the intended target, a warehouse, the bomb hit the al-Dayahs. In other words, it was a "professional mistake," nothing more.

Translated from the German by Christopher Sultan



Tradução do Uol:

Crimes de guerra em Gaza? Advogados palestinos desafiam Israel

Der Spiegel
Juliane von Mittelstaedt
Cidade de Gaza (Palestina)
Quatro meses depois da guerra em Gaza, advogados palestinos prepararam
936 processos contra o poder militar israelense sob acusações de crimes de guerra. Alguns dos casos poderão ser julgados em breve no Tribunal Nacional da Espanha de acordo com a jurisdição internacional.

Quando Iyad al-Alami quer examinar os efeitos colaterais da guerra de Gaza, tudo o que ele tem que fazer é sair de seu escritório e subir as escadas até a cobertura do prédio em que trabalha. Lá, estão guardados pilhas de estilhaços, ogivas de mísseis amassadas e ogivas antiblindagem. Materiais novos são acrescentados todos os dias, enchendo as caixas que cobrem o chão e são empilhadas contra a parede.

Para Al-Alami, os restos são provas dos crimes de guerra israelense.Ele espera que essas armas possam ser usadas novamente - mas dessa vez, num tribunal.

Al-Alami é o homem responsável pelos esforços de reunir a maior onda de processos da história contra Israel. Ele chefia o departamento legal do Centro Palestino para os Direitos Humanos (CPDH) na Cidade de Gaza. De seu escritório sem janela, o advogado taciturno tenta convencer os tribunais em todo o mundo a aceitarem sua ação judicial.

Al-Alami tem 45 anos de idade, e lembra um pouco o ex-presidente egípcio Gamal Abdel Nasser, cuja imagem está pendurada na parede de Al-Alami.

Apesar de ele não ser de forma nenhuma um propagandista, Al-Alani se refere aos "crimes de guerra de Israel" como se estivesse discutindo um fato consumado. Mas ele se vê como uma pessoa neutra, ou pelo menos tão neutra quanto qualquer palestino da faixa de Gaza pode ser. Ele defendeu os membros do Hamas que estão em prisões da Fatah, e membros da Fatah que estão em prisões do Hamas. Ele já representou centenas, talvez até milhares de pessoas, contra o exército israelense desde que ajudou a fundar o CPDH há 14 anos. Nos melhores resultados, Israel pagou indenização para as vítimas ou condenou seus soldados por roubo.

Mas as vitórias do centro foram todas menores. "Vivemos num sistema de impunidade", disse Al-Alami.

As 4.747 mortes de palestinos que, de acordo com a organização de direitos humanos de Israel B'Tselem, resultaram da segunda intifada - o levante palestino que começou em setembro de 2000 - levaram a 30 processos criminais contra soldados israelenses, cinco condenações e apenas uma a uma sentença de prisão mais longa.

De acordo com o CPDH, 1.417 pessoas morreram na guerra mais recente de Israel contra o Hamas na Faixa de Gaza, e muitos dos mortos eram civis. Isso não pode acontecer de novo, diz Al-Alami. Seu sonho é ver um julgamento internacional para Gaza, munido de seus arquivos e provas. E parece que sua visão pode em breve se tornar realidade, pelo menos em parte.

Dezenas de advogados de todo o mundo - na Noruega, Inglaterra, Nova Zelândia, Espanha e Holanda - estão trabalhando nos processos de Gaza.

Num mundo globalizado, a justiça também é global: a base para a iniciativa é o princípio de jurisdição universal da lei internacional, que torna possível entrar com processos em todo o mundo por crimes de guerra, genocídio, tortura e crimes contra a humanidade.

Na Noruega, seis advogados entraram com processos contra Israel por violações aos direitos humanos. Eles estão pedindo um mandado europeu para a prisão de oficiais sênior israelenses - incluindo o ex-primeiro-ministro Ehud Olmert.

Em Londres, Daniel Machover e Kate Maynard, advogados da firma Hickman & Rose Solicitors, estão esperando até que um dos israelenses responsáveis pela guerra saia do país. Se o oficial viaja para um país onde é legalmente possível processá-lo por crimes de guerra, um advogado entrará imediatamente com um pedido, naquele país, para que o oficial israelense em questão seja preso.

Há quatro anos, os dois advogados conseguiram um mandado de prisão para Doron Almog, que, enquanto chefe das Forças de Defesa Israelenses no Comando do Sul, ordenou os chamados "assassinatos seletivos".

Almog, depois de receber um alerta de prisão, escapou da detenção no Aeroporto Heathrow em Londres, recusando-se a sair do avião e voando de volta para Israel. Desde então, militares do alto escalão de Israel, e até mesmo alguns políticos, não se arriscam mais a viajar para a Inglaterra.

Al-Alami atualmente deposita suas esperanças no Tribunal Nacional da Espanha em Madri, que se tornou uma espécie de tribunal internacional não oficial. O Tribunal Nacional expediu o mandado de prisão contra o ex-ditador chileno Augusto Pinochet, e agora está investigando as acusações de tortura de presos em Guantanamo. Um dos juízes do tribunal está investigando três ministros de gabinete chineses e outros oficiais da alta hierarquia do Partido Comunista que teriam oprimido o levante tibetano em 2008.

E agora o tribunal também está investigando as acusações contra a liderança de Israel, um país democrático e o único envolvido na guerra que pode ser processado. Enquanto isso, o Hamas continua impune por seus atos de terror.

A base para as ações do tribunal espanhol são um processo registrado em janeiro contra sete oficiais militares israelenses de alta patente e políticos por causa do assassinato seletivo do líder do Hamas Sheik Salah Shehada em 2008, num ataque que também custou as vidas de 14 civis. O caso pode ser suspenso, mas para evitar que isso aconteça, o promotor espanhol Gonzalo Boyé planeja expandir o processo para incluir um total de 13 casos reunidos pelo CPDH. Os casos envolvem desaparecimentos, tortura e assassinatos desde 1983, apesar de a maioria ser de janeiro de 2009.

O objetivo de Boyé é demonstrar que Israel vem cometendo crimes sistematicamente, e é por isso que as vítimas da campanha de Gaza são o foco da ação judicial. "Um caso é um crime de guerra", diz Boyé, "mas dez casos? Isso já é outra coisa." As novas acusações envolvem crimes contra a humanidade.

E se for necessário, talvez por que o governo Espanhol, sob pressão estrangeira, está tentando atualmente limitar os processos internacionais em seus tribunais, Boyé está preparado para apresentar uma vítima que liga os casos à Espanha: um palestino que tem parentes em Barcelona.

Até agora, Israel se recusou a cooperar com qualquer investigação sistemática. O país rejeita o Tribunal Penal Internacional (TPI) e não está cooperando com Richard Goldstone, chefe da missão investigativa do Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas em Gaza.

Também não houve investigações criminais em relação às acusações, feitas pela Cruz Vermelha e organizações de direitos humanos, de que os feridos não puderam ser evacuados durante a guerra de Gaza porque as ambulâncias eram abatidas e os civis e refugiados, atacados.

A única investigação israelense até agora diz respeito a relatos dos soldados alegando ter testemunhado assassinatos indiscriminados de civis palestinos. Depois de passar 11 dias investigando as acusações, uma comissão concluiu que os supostos assassinatos não eram nada além de rumores.

O Exército israelense acabou de terminar uma revisão interna da guerra de Gaza, e concluiu que seus soldados cometeram erros apenas em um "número muito pequeno de incidentes". Esses incidentes "foram inevitáveis" e "ocorrem em todas as situações de combate."

Crimes de guerra sistemáticos, do tipo que Al-Alami acusa os israelenses de perpetrar, não são fáceis de provar. Os promotores precisam demonstrar que o poder militar israelense atacou civis sem motivo, talvez até de forma deliberada. Eles precisam provar que esses ataques não faziam parte da conduta de guerra contra os guerrilheiros do Hamas, e de que não foram casos simples de erros técnicos ou humanos, mas de tirar a vida humana sem motivo. Mas quem deve decidir se esses assassinatos foram acidentais ou intencionais e se mostram negligência ou crueldade?

Por outro lado, nenhuma guerra foi tão bem documentada quanto o conflito em Gaza, apesar da proibição de Israel aos jornalistas. A faixa de Gaza é pequena, as testemunhas não podem sair de lá, e as provas são preservadas. Com isso em mente, Iyad Al-Alami e sua equipe de oito advogados, ajudados por dezenas de voluntários, começaram a interrogar testemunhas durante os bombardeios. Eles coletaram estilhaços, tiraram fotos, fizeram vídeos e registraram os estragos, com frequência arriscando suas vidas para fazer isso. "Tivemos que coletar provas o mais rápido possível antes que elas sumissem, que as testemunhas desaparecessem, que as vítimas morressem e os mortos fossem enterrados", disse Al-Alami.

Dessa forma, eles reconstituíram a guerra, dia após dia, bomba após bomba. Eles compararam as declarações de testemunhas com o curso da guerra e com os relatos da mídia. Especialistas de armas internacionais prepararam análises, e médicos palestinos certificaram as causas das mortes. A equipe foi até aos cemitérios para determinar se os túmulos correspondiam aos mortos. "Temos que nos certificar que tudo está correto", disse Al-Alami.

O CPDH registrou 936 casos, que representam a documentação mais ampla dessa guerra. Eles incluem incidentes de crianças mortas a tiros a pouca distância, mulheres queimadas por ogivas de fósforo branco e famílias inteiras soterradas sob suas casas.

"Ganhar uma causa, apenas uma, seria suficiente", diz Al-Alami. "Eu poderia me aposentar imediatamente porque teria conquistado alguma coisa". Apenas um dos 936 casos. Al-Alami precisa do caso perfeito.

O caso perfeito deveria ter algumas características. Os mortos precisam ser civis. São necessárias testemunhas confiáveis.

Guerrilheiros do Hamas não poderiam estar na área, porque poderiam ter abusado dos moradores locais como escudos humanos. E as identidades dos militares que deram as ordens e daqueles que cometeram os assassinatos precisam estar claras.

Al-Alami se refere o tempo todo aos 13 fichários empilhados sobre sua escrivaninha. Cada um deles representa um caso, e juntos eles representam mais de 100 mortos. Eles são os piores casos para a justiça mundial, e o promotor espanhol Gonzalo Boyé usará alguns como prova para sustentar sua causa de crimes contra a humanidade.

Há um fichário para os 48 membros da família Samuni mortos na ofensiva de Gaza, e outro para os seis membros da família Abu Halima queimados por ogivas de fósforo branco. Há um para os 11 membros da família do líder do Hamas Nizar Rayan, cuja casa foi destruída por um ataque aéreo israelense. Há uma pasta para os que foram mortos na academia de polícia Arafat. E outro para a família de Amir Al-Daya.

Amir Al-Daya, 28, é o único membro de uma família de 23 pessoas que sobreviveu ao bombardeio da casa de seus pais. Entre os mortos estavam seus pais, três irmãos, três cunhadas, duas irmãs e 12 sobrinhos e sobrinhas. Al-Alami mostra algumas das fotos do arquivo. Uma delas mostra a cabeça de uma criança no meio dos destroços, com os olhos abertos, membros separados do corpo. Não restou nada das vítimas, e Al-Daya encontrou partes do corpo de sua mãe a até 100 metros dali.
"Minha família simplesmente desapareceu", diz Al-Daya, um homem corpulento com rosto de menino.

O destino de sua família é um dos primeiros casos que Gonzalo Boyé planeja levar a Madri. Al-Daya, o único sobrevivente, deposita suas esperanças no tribunal europeu. Ele também sabe que pode levar anos - se isso de fato acontecer - antes que um veredicto seja pronunciado.

Em seu relatório final, o Exército israelense comentou sobre a morte da família de Al-Daya. O piloto, diz o relatório, havia recebido coordenadas incorretas. Em vez de atingir o alvo almejado, um depósito, a bomba atingiu a casa dos Al-Daya. Em outras palavras, foi um "erro técnico", nada mais.

Tradução: Eloise De Vylder