quinta-feira, 15 de julho de 2010

Petição para Israel ser BANIDA das Olimpíadas de 2012

Pin It
To: International Olympics Committee

Dear International Olympics Committee (IOC)

We, the undersigned citizens of the world, call on the international Olympics Committee to rescind Israel's participation in the London 2012 Olympics.

Israel's attack on a humanitarian aid fleet on Monday 31 May 2010, its murder of 9 human rights activists in international waters, and wounding many more, demonstrate that Israel rejects the structural tenets of our shared humanity, manifested in a global moral consensus and international law.

Israel was established on the ruins of another country, Palestine. In 1948 more than half the population of Palestine were uprooted from their cities and villages, 400 of which were completely destroyed. The state of Israel has never allowed Palestinian refugees to return and today their number has reached 7 million, many of whom are still stateless, living in refugee camps in Palestine and other Arab countries

Since its establishment the state of Israel has consistently violated international law. To date, it has defied 246 UN Security Council Resolutions. As a direct consequence, seven million Palestinians are excluded from the right to live on land internationally acknowledged to be theirs; and increasingly, they are being excluded from their right to any future at all as a nation. The 4 million Palestinians in the occupied territories have endured over 40 years of brutal occupation and denied even the most basic Human rights. The 1.4 million who remain in Israel are second class citizens.

The daily brutality of the Israeli army in Gaza and the West Bank continues; Palestinian land continues to be stolen, houses demolished and crops destroyed. For years now the state of Israel has been carrying out a slow genocide in the Gaza Strip, maintaining a tight blockade over its inhabitants and repeated bombing raids all of which are contrary to International Laws which prohibit collective punishment.

The Israeli military used white phosphorus munitions in the 2008-2009 Gaza war. The IDF acknowledged it's use after the war ended.

Several reports from human right groups during the war indicated that white phosphorus shells were being used by Israel in violation of international law. Human Rights Watch said shells exploded over populated civilian areas, including a crowded refugee camp, a UN compound where food was stored, and a United Nations school where civilians were seeking refuge.

Human Rights Watch said its experts in the region had witnessed the use of white phosphorus. Kenneth Roth, the organisation's executive director, added: "This is a chemical compound that burns structures and burns people. It should not be used in populated areas."

Amnesty International said a fact-finding team found "indisputable evidence of the widespread use of white phosphorus" in crowded residential areas of Gaza City and elsewhere in the territory. Donatella Rovera, the head of an Amnesty fact-finding mission to southern Israel and Gaza, said: "Israeli forces used white phosphorus and other weapons supplied by the USA to carry out serious violations of international humanitarian law, including war crimes."

"Israel's policy on settlements is not only unlawful, it also impacts severely on the human rights of Palestinians in the West Bank, including East Jerusalem, whose lives and livelihoods have been devastated by the constructions taking place on occupied Palestinian land," said Malcolm Smart, Amnesty International's Middle East and North Africa director.

Archbishop Desmond Tutu and other prominent South Africans have likened the situation of the Palestinians to apartheid for which South Africa were banned from international sporting events including the Olympic Games.

The challenge of apartheid was fought with the non-violent international response of a campaign of boycott, divestment, and sanctions. Today Palestinian artists, trade unionists, teachers, writers, film-makers and non-governmental organisations have called for a comparable boycott of Israel, as offering another path to a just peace, saying, “ At a time when the international movement to isolate Israel is gaining ground in response to the escalation of Israel's violently colonial and racist policies, we respectfully urge conscientious organisations, sportsmen, academics, artists and intellectuals from around the world, including those who visit [or host Israeli's from] the occupied Palestinian territory (OPT), to refrain from visiting [or hosting] Israel to participate in any event or encounter that is not explicitly dedicated to ending Israel's illegal occupation and other forms of oppression. Regardless of intentions, such visits only contribute to the prolongation of injustice by normalizing and thereby legitimizing it, and inadvertently support Israel's efforts to appear as a "normal" participant in the "civilized" world of sport, science, scholarship and art while at the same time practising a pernicious form of apartheid against Palestinians.” This call has been endorsed by some brave Israeli dissidents and many prominent international figures.

Boycott is a tactic which allows people, as distinct from their elected governments, to apply pressure on those wielding power in an unjust way. It is directed not against people but against oppressive and unjust policies and regimes in order to bring about change. I would also remind you that Principle 2 of the Olympic Charter declares the principles of Olympism to “place sport at the service of the harmonious development of man, with a view to promoting a peaceful society concerned with the preservation of human dignity”. Also principle 5 which states "Any form of discrimination with regard to a country or a person on grounds of race, religion,
politics, gender or otherwise is incompatible with belonging to the Olympic Movement." Clearly the acts of genocide against Palestinians and the forcing out by the illegal expansion of the settlements is a violation of this principle. By your own words in Principle 6 "Belonging to the Olympic Movement requires compliance with the Olympic Charter and recognition by the IOC." As Israel are not compliant how can they then participate under the current conditions that Palestinians are faced with? Particularly considering that "The name of an NOC must reflect the territorial extent and tradition of its country..." However many Israelis are living on disputed land and therefore Israeli athletes cannot be considered to be from the legitimate territorial extent of their country.

Contrary to Olympic Charter bye-laws stating "No kind of demonstration or political, religious or racial propaganda is permitted in any Olympic sites, venues or other areas" you will; by allowing Israel to participate and not taking a stand against their racist policies; be implicitly supporting war crimes, ethnic cleansing, dispossession, and continued oppression of the Palestinian people, a people seeking to end the silence of the international community and achieve a just peace. The Israeli politicians and citizens see every visit to and from Israel as an act of support for their policies. Every cancellation is a reminder to them that all is not well and that there will be a price for the ongoing oppression and the indifference for rights of Palestinians.

If you require more information about the situation in Israel and the Occupied Territories, organisations such as Amnesty International, the World Health Organisation and the Israeli human rights organisation B’Tselem have published detailed reports.

We feel sure that, in the light of the information available, you would not wish to lend support – however indirect and implicit – to Israel’s policies, by allowing them to attend and participate in such a high profile event that aims to be “a force for good”.


The Undersigned

Sign the petition HERE (text HERE)
16 Comentários

16 comentários:

Anônimo disse...

Fazer abaixo-assinado contra a ilha-prisão, você não faz não, né? Abaixo-assinado contra a ocupação tibetana também não?


Engraçado como os anônimos não conhecem a diferença entre socialistas, comunistas e anarquistas.
Se você anônimo for realmente o ignorante que demonstrou, o tio Bandeira Negra aqui vai dar uma aulinha de política prática para pessoas com deficiência mental.
Todas as três vertentes defendem a modificação da sociedade em face ao atrelamento e deterioração da vida humana em relação aos meios de produção, ou seja que a partir da revolução industrial as pessoas passaram a ter sua saúde cada vez mais comprometida pela maneira com que foram obrigadas a se adaptar à oferta de empregos por parte daqueles que a ofereciam, chamados burgueses, capitalistas y otras cositas más. Alguns defendiam a mudança através da política, outros da revolução armada e outros através da conscientização do que estava acontecendo. Como bom exemplo de coexistência humana os três grupos desde sempre pouco se bicaram. Ou seja, caro anônimo, se você quer banalizar as bizarrices comunistas para todo o resto das idéias como sendo um todo só, isso não partindo de um princípio que você só quer azucrinar, você está redondamente enganado.
Maldito acordo MEC/USAID...

Anônimo disse...

Tio bandeira negra? É grito de guerra? Santa!

Anônimo disse...

Opa... quis dizer nome de guerra... fiquei tão comovido com suas explicações que me confundi...

Raphael Tsavkko Garcia disse...

Primeiro Anônimo: Leia o histórico do blog, verás que não defendo a China, muito pelo contrário, defendo a independência do Tibet e dos Uigures. Adoro boçal que vem criticar sem qualquer conhecimento.

Qunto à Cuba, defendo com unhas e dentes o direito do povo cubano não virar um puteiro dos EUA, como já foi até a Revolução.
Ao comment seguinte: Realmente, boçal de direita, normalmente criancinhas de 15 anos copiando o papai, não conseguem diferenciar as coisas simplesmente porque não fazem idéia do que estão falando.

Anônimo disse...

Não seja mal-educado Raphael. Espero que você seja melhor do que isto. Ser militonto não cai bem.
De qualquer forma, os milhares de cubanos que morreram tentando sair da Ilha-prisão talvez preferissem morar num puteiro do que num cemitério...

Anônimo disse...

É isso ai Raphael. Temos que dar uma lição nesses reacionários. Esta direita que tenta ressurgir das trevas tem que ser eliminada da face da Terra.
Chaves e Fidel que tem razão em colocar na cadeia todos esses terroristas de direita, afinal esse é o lugar certo para os inimigos do povo e da revolução.


Pelo jeito a presunção de inocência que te dei caiu por terra...
E já que pelo jeito você é o ignorante homófobo com o qual eu realmente pensei estar tratando, vou te propôr um desafio. Me consegue uma bandeira com arco-íris pra por nos caracteres especiais do meu PC, é bem mais alegre e irradia bem mais do que uma bandeira negra.

Anônimo disse...

Obrigado pelo voto de confiança. Qto ao seu PC não ter esses tais caracteres especiais deve ser porque a Microsoft deve ser homofóbica também ou a Apple. Afinal, vcs são mtos perseguidos, não é mesmo?
Para de ser fazer de vítima e de julgador da moral alheia... e vê se cria vergonha nessa cara.

Raphael Tsavkko Garcia disse...

Porque será que todo fascistinha fica revoltado quando se fala a verdade: Que Cuba era um puteiro antes da Revolução e voltará a ser um se os EUA colocarem suas mãos por lá?

Ah, sim, porque é a verdade.

Engraçado, milhares de brasileiros saem do Brasil pros EUA e Europa todo ano por melhores condições de vida... Milhares de mexicanos saem do méxico para morrer na fronteira com os EUA atrás de condições de vida... Mas Cuba é que é terrível!

Tente fazer colar tua propaganda fascista em outro lugar,meu caro, e seja homem (ou mulher) e coloque seu nome verdadeiro. É muito fácil se achar foda quando se é anônimo.

Anônimo disse...

Caro Raphael.

Gosto muito dos seus textos. Vc faz um excelente trabalho. Estes facistas vivem anônimos enchendo o saco nos blogs alheios.

Mas tem uma coisa que não entendi no seu último comentário e gostaria que você me explicasse:

"Engraçado, milhares de brasileiros saem do Brasil pros EUA e Europa todo ano por melhores condições de vida... Milhares de mexicanos saem do méxico para morrer na fronteira com os EUA atrás de condições de vida... Mas Cuba é que é terrível!"

Neste ponto, na minha humilde opinião, você quis dizer que milhares de brasileiros ou de outras nacionalidades vão tentar melhores condições de vida nos EUA (muitos acabam morrendo na tentativa). Bom, mas eles morrem na tentativa de entrar nos EUA e não de sair como ocorre em Cuba. Se a ilha dos irmãos Castro é tão boa como você diz, porque que milhares de pessoas preferem se arriscar a morrer assasinados pelo regime comunista, ou comido pelas fauna caribenha a ficar em Cuba. Algo não faz sentido!

Parabéns mais uma vez.


P.S. Deixo meu comentário anônimo também porque ninguém se identificou nos comentários acima.

Raphael Tsavkko Garcia disse...

Na verdade as mortes que ocorrem na saída de Cuba se dão no mar, pelas condições de navegação. Cuba é uma ilha, não é como pegar um avião ou cruzar uma fronteira seca.

Muitos mexicanos morrem tentando entrar nos EUA, são assassinados pelos americanos. MAs os Cubanos que ficam com a fama?

Em todo lugar do mundo tem gente tentando sair ou entrar. Porque ninguém fala dos imigrantes que tentam ir pra França, pra Inglaterra? Cuba é a bola da vez, sempre foi.

engraçado como são pouquíssimos os que saem de Cuba, a maioria vive muito feliz e bem, mas claro, a mídia jamais mostraria isso. Veja Sicko de Michael Moore, ele mostra o que é Cuba de um ponto de vista desmistificado.

Anônimo disse...

Caro Raphael.
Muito obrigado pela resposta do meu comentário. Mesmo estando como anônimo você foi atencioso. Obrigado.

Me desculpe a ignorância, mas sinceramente eu não entendi.

Mesmo Cuba sendo uma ilha, porque seus cidadãos não poderiam pegar um avião ou um navio livremente e imigrar para outro país. Claro que os EUA têm restrições à imigração, mas outros países são mais flexíveis, como o Brasil, por exemplo. Todas as notícias que tenho, muitas delas vindas de amigos cubanos radicados em nosso país são de que o governo cubano não permite a saída e entrada livres de seus cidadãos na Ilha, o que força tais tentativas quase que suicidas de escapar da ilha.

Em relação aos mexicanos não vejo a relação. O fato de que eles são presos ou mortos pelos americanos não faz com que mais ou menos cubanos tentem sair de Cuba. E mesmo assim não culpo os cubanos pelas mortes dos mexicanos, culpo o governo cubano pela morte de seus cidadãos.

Cidadãos saindo e entrando de seus países é a coisa mais normal do mundo. Coisa anornal é seu país não deixar que você saia. Me lembra muito o muro de Berlim que fora construído não para impedir a entrada de pessoas no paríso comunista, mas sim para que elas não saissem.

Quanto a viver felizes em Cuba, ai já não sei. Realmente tenho relatos muito ruins de lá. Cubanos amigos meus que moram aqui falam muito mal. Nunca encontrei um cubano que falasse bem da Ilha, mas certamente o Fidel deve viver feliz.

Pode deixar que eu assistirei o documentário que você me indicou. Assisti outros filmes de Moore, mas ainda não tive a oportunidade de ver este.


Raphael Tsavkko Garcia disse...

A posição de Cuba quanto à imigração tem um viés que considero errado, fato, mas por outro lado tem explicação histórica no embargo e na situação de isolamento que lhe é imposta pelo mundo (ou por parte dele).

algumas posições cubanas eu critico, outras, não passam de mera propaganda, como os tais dissidentes.

A comparação com o México serve apenas para mostrar que, em qualquer lugar do mundo, tem gente disposta a morrer para sair de sues países, sejam eles mais ou menos democráticos. Cuba erra ao impedir, mas as pessoas não saem de lá por ser uma "ditadura maldita", senão poderíamos dizer o mesmo de meio mundo.

Eu conheço cubanos e tenho amigos que forma lá e que falam muito bem da ilha. toda moeda tem dois lados.

Anônimo disse...

Bolivarianos. Uni-vos. Vamos mandar estes facistas para La Cabana. Este é o lugar que merecem.

Falar mal de Cuba é o Fim mesmo. Raphael está certo. Lá era o puteiro dos Imperialistas. Agora é o paraíso comunista. Quem dera a revolução cubana fosse expandida por toda America Latina. Ainda bem que temos o Foro de São Paulo que está colocando a nossa região nos eixos.

Abraços camarada.

Anônimo disse...

Bando de gente maluca, doente!

Postar um comentário