quinta-feira, 22 de abril de 2010

Fobia Neopentecostal e o Dia "D" de "dinheiro" [Parte 2]

Pin It
O Dia D

Na quarta, dia 20, feriado, uma multidão de fanáticos, ops, assaltados, ops, fiéis, se reuniram na Zona Sul do Rio para um Culto (como eles chamam o processo inicial da lavagem de dinheiro, é quando vão extorquir dos ignorantes), causando um verdadeiro caos na cidade do Rio de Janeiro.

Um evento de tamanha magnitude, não há dúvida, não tem cabimento. Um absurdo que o município permita tal coisa, causando um transtorno de proporções gigantescas na cidade. E não faço de trânsito, como a Globo adora noticiar. Tudo para a Globo é problemático para o trânsito e ponto.

Mas falo do caos para os moradores da região, dos que estavam na praia, dos que foram obrigados a aguentar horas de pregação, de proselitismo e, o pior, a sacanagem com os "fiéis" que devem ter levado as carteiras prontas para serem coagidos a dar até o último tostão para os pastores, bispos e meliantes em geral da IURD ali reunidos.

Antes que algum fanático venha criticar que a Parada Gay na Paulista, ou mesmo a carioca, causam tumulto semelhante, já adianto que uma coisa é um bando de desocupado indo roubar e ser roubado se reunindo e transtornando a vida de todos e outra é uma minoria constantemente atacada e que sofre preconceito diário e perseguições se manifestando por visibilidade.

Pesem as críticas à "globalização" da Parada Gay, ao tom hoje muito mais midiático e festivo que crítico e conscientizador, o evento ainda é fundamental para a visibilidade dos homossexuais. Estes, aliás, constantemente atacados pela turba reunida na Zona Sul para pregar a palavra do preconceito, dita de deus.

O "movimento" presente na praia de Botafogo não reivindica nada, não protesta contra nada, não acrescenta nada. Ao menos, na superfície.

Em um período pré-eleitoral o circo armado pela IURD é ainda mais significativo. É uma clara demonstração de poder, de manipulação das massas.

Sobre esta questão da Homossexualidade, vale à pena ler este artigo que traça um paralelo entre a atitude dos "nossos" neopentecostais (em alguns casos das igrejas cristãs e seitas em geral) e a atitude tão condenada dos africanos em Uganda ou mesmo de alguns países islâmicos.

Enfim, um "culto" despropositado, com o objetivo de mostrar a todos "Olha, nós temos força, não mexa conosco ou destruiremos vocês". Perigoso e ameaçador.

Neste ponto muitos já devem estar me chamando de intolerante religioso, esclareço: Neopentecostalismo não é religião, é quadrilha organizada com bíblia não mão.Sinto muita pena de quem acaba caindo e espero todo dia que os responsáveis mofem na cadeia.

------
Comentários
2 Comentários

2 comentários:

Briguilino disse...

Muito legal esta ideia de intercalar uma mensagem do twitter e teu texto. Ainda não tinha visto. Parabéns!!!

AD Luna disse...

Reforço as palavras do Briguilino. Vou copiar, mas vou dar o crédito da ideia inicial, certo? hehe... abração

Postar um comentário